.

.

PAGINAS ESSENCIAIS DE ASSUNTOS INÉDITOS.

ESTAS MATÉRIAS ESTÃO COMPARTILHADAS COM ESTAS PAGINAS: http://www.recantodasletras.com.br/autores/edvaldobmelo http://teologia-divina.vilabol.uol.com.br// http://twitter.com/#%21/relator_edvaldo SOBRE POLÍTICA E OUTROS ASSUNTOS ACESSE www.buique-buicano.blogspot.com.br/
facebook.com/edvaldo.b.demelo

LIVRO: ...venha a nós o teu reino...

quinta-feira, 23 de maio de 2013

LINGUÍSTICA DEPOIS DA REFORMA...

MINHA CASA NA FAZENDA PORTO SEGURO, BERÇO DE UMA NOVA CIVILIZAÇÃO

Olá,
mencionaram você em uma mensagem:

de Peixe para Marilda Ribeiro....2Isabella Maria de Fátima Arcos CoimbraHamilton Teixeira e outros usuários. 

Linguagem

“Linguagem sã e irrepreensível para que o adversário se envergonhe,

não tendo nenhum mal que dizer de nós”.


PAULO, (Tito, 2:8)


Através da linguagem, o homem ajuda-se ou se desajuda.


Ainda mesmo que o nosso íntimo permaneça enevoado de problemas, não é
aconselhável que a nossa palavra se faça turva ou desequilibrada para os
outros.


Cada qual tem o seu enigma, a sua necessidade e a sua dor e não é justo
aumentar as aflições do vizinho com a carga de nossas inquietações.


A exteriorização da queixa desencoraja, o verbo da aspereza vergasta, a observação do maldizente confunde...


Pela nossa manifestação mal conduzida para com os erros dos outros, afastamos a verdade de nós.


Pela nossa expressão verbalista menos enobrecida, repelimos a bênção do amor que nos encheria do contentamento de viver.


Tenhamos a precisa coragem de eliminar, por nós mesmos, os raios de nossos sentimentos e desejos descontrolados.


A palavra é canal do “eu”.


Pela válvula da língua, nossas paixões explodem ou nossas virtudes se estendem.


Cada vez que arrojamos para fora de nós o vocabulário que nos é próprio,
emitimos forças que destroem ou edificam, que solapam ou restauram, que
ferem ou balsamizam.


Linguagem, a nosso entender, se constitui de três elementos essenciais: expressão, maneira e voz.


Se não aclaramos a frase, se não apuramos o modo e se não educamos a
voz, de acordo com as situações, somos suscetíveis de perder as nossas
melhores oportunidades de melhoria, entendimento e elevação.


Paulo de Tarso fornece a receita adequada aos aprendizes do Evangelho.


Nem linguagem doce demais, nem amarga em excesso. Nem branda em demasia,
afugentando a confiança, nem áspera ou contundente, quebrando a simpatia, mas sim
“linguagem sã e irrepreensível para que o adversário se envergonhe, não
tendo nenhum mal que dizer de nós”.


Autor: Emmanuel
Psicografia de Chico Xavier. Livro: Fonte Viva


vá para o orkut para ver a conversa: http://www.orkut.com.br?mt=27

RESPOSTA

·         RE: orkut - Linguagem“Linguagem sã e irrepre...‏

A NOVA CULTURA DESTE MILÊNIO.. RELATOR EDVALDO
12:59
Para: noreply-orkut@google.com

                                                   RESPOSTA DO RELATOR EDVALDO

Esta linguística nem de um jeito e de outro, ou mesmo como emmanuel propõe até hoje não surtiu efeito desejado por aqueles que se dispõe a ser um líder, ou um pastor religiosos, pois o mundo continua a ser este lamaçal de controversa para todos, portanto todas estas técnicas de manusear o próximo com conselhos, mesmo que estes conselhos sejam para o bem, não sensibilizou o DEUS CRIADOR, a não reformar o planeta e a linguística dos seres humanos, portanto a reforma esta focada na geografia do globo terrestre que foi entregue a MÃE NATUREZA,  e a outra que é a cultura, esta ficou com poder maior que é o ETERNO de substituir todas as culturas clandestina que existe em todas as nações do planeta. Portanto, quem tem que fazer a sua reforma interior é o próprio ser humano BUSCAR na ciência metafisica e na teologia DIVINA este é o programa espiritual DIVINO que o ETERNO está fornecendo para sua própria reforma interior, portanto não devemos mais buscar nas coisas velhas e empoeiradas, mesmo que estas coisas velhas tenham sido  ensinada por um espirito do kilate de Emammuel, é tanto que este mesmo espirito já se encontra encarnado para poder contribuir com este programa espiritual DIVINO. (Edvaldo)