.

.

PAGINAS ESSENCIAIS DE ASSUNTOS INÉDITOS.

ESTAS MATÉRIAS ESTÃO COMPARTILHADAS COM ESTAS PAGINAS: http://www.recantodasletras.com.br/autores/edvaldobmelo http://teologia-divina.vilabol.uol.com.br// http://twitter.com/#%21/relator_edvaldo SOBRE POLÍTICA E OUTROS ASSUNTOS ACESSE www.buique-buicano.blogspot.com.br/
facebook.com/edvaldo.b.demelo

LIVRO: ...venha a nós o teu reino...

domingo, 3 de março de 2019

MINHAS POESIAS 1





Poesia.

Minha amada

Amor que perfume é esse?
Que exala do teu corpo.
Tu permitiste, e contivesse.
De ver teu subcorpo.
Ii
Agora quero te ver.
Todos os dias, com jeito.
Só assim posso rever.
O teu corpinho bem feito.
III
A lua bem prateada.
Aparecendo no céu.
Eu voando no alado.
Cobrindo o rosto com véu.
IV
Com tudo isto, te vejo.
A banhar o que é meu.
As formas mais que desejo.
A deslumbrar o que é seu.
V
Como é bom te ver assim.
Deitada do mesmo jeito.
Me lembro o dia do fim.
Que te sussurrei de trejeito.
VI
Pra desnudar o teu corpo.
Bonito e muito bem feito.
Aparecendo o teu rosto.
Exuberante, e sem jeito.
VII
Tudo isto ao amanhecer.
De um dia maravilhoso.
Nunca vou te esquecer.
Do teu corpo, no leito.
VIII
Lá fora chovia forte.
Não se ouvia seu gemido.
Teu corpo no mesmo porte.
Os olhos a revirar, de tudo já consumido.



IX
Assim amanhece o dia.
Os passarinhos a cantar.
Tudo isto é o que se via.
Os meus olhinhos a brilhar.
24/03/2018 Edvaldo.


























                                    
Poesia, 

Saudades da mamãe.
I
Mamãe minha querida mãe.
A tempo que não te vejo.
Já não te visito mais.
Saudade muita saudade, invade meu coração.
Só te vejo na lembrança da minha imaginação.
II
Na vida foste uma guerreira.
Com amor criaste teus filhos.
Como uma verdadeira videira.
De folhas, muito vistosa.
Como árvore de parreira.
III
Educar foi o teu lema.
Lembro ainda tua voz.
Cantando na tua tenda.
Na tua casa tão simples como se fosse um cinema.
Nas asas de um albatroz.
IV
Te vejo sempre sorrindo.
Nunca esqueceste da paz.
Minha querida mamãe, foste, e não volta mais.
Com teu sorriso tão lindo.
Cada vez te quero demais.
V
Na lembrança dessas rimas.
Amar assim com saudade.
Sempre, sempre nesse clima.
Com muita felicidade.
Lembrar minha mãe nessa rima, é sempre uma obra-prima.
Buíque 13/05/2018.
(Edvaldo).












































Marquinho, filho de um amigo…
Tu hoje completa ano.
Parabenizo, e te digo.
Andarás como um alado.
Te conheço assim, só de nome.
Filho de paulo, um homem bem realizado.
Parabéns pelo teu niva.
Data muito abençoada.
Por isto grito bem alto, viva!!!!
Tudo isto, bem vivido na virada.
Apelo, convidando à patativa.
Pra cantarolar no som de uma risada.
Desculpe-me por este atraso.
Foi o tempo que tive agora.
Por isto não vem o caso.
Parabéns só presta na hora.
Mas, valeu pelo o atraso.
A rima sempre é preciso.
Para um amigo não falto.
Pensei que fosse Tarciso.
Porém é sempre um amigo, o Dr. Paulo de Tarso.
17/03/2018
Edvaldo.


















































Poesia, a putinha...

Campina terra que vi no ar a brisa passar...
Na minha infância correndo aprendendo no seu lema...
Sentindo no rosto o aroma do seu perfume no ar...
Quem diria ser ela hoje? a rainha da Borborema?
Nasci lá no meu Galante vivenciando com ela, Campina até sendo puta eu quero ser filho dela...

(Edvaldo).
Buíque, janeiro de 2017



























































Poesia
 A rosa

A rosa que mais amei
No apogeu do seu nome
Na busca, eu muito andei
Não me furei no seu espinho
Fui tentando, estava com fome, e cheguei,
E Brindei com ela e com vinho
porém, foi a que mais amei.

 (Edvaldo).
Buíque 2018.


























































MINHAS PRIMEIRAS POESIAS...
PARA MINHA ESPOSA.

I
Na conformidade do tempo.
Da aurora que já chegou.
Do encanto passivo do vento,
Que nos meus ouvidos brotou .
II
A vida, que sempre esteve na presença do amor.
Tudo isto me contive das lembranças que jorrou.
A mulher que tanto amo florindo ainda brotou.
Fui sabendo quem eu era; no abstrato no amor.
III
Não sei como consegui; viver a vida que levo.
Na imensidão do tempo, no convívio do louvor.
E no murmúrio da paixão, vivenciando o meu ego.
Convivendo ainda estou; nas noites com meu amor.
IV
Busquei nas lembranças o brio, das mulheres bem formosas.
O ser que tanto gostei; a mulher que mais amei.
Convive ainda comigo, no jardim colhendo rosas.
Me fala bem no ouvido; sussurra, me diz; benzinho, uma rosa de cada vez.
(Edvaldo) 15/08/2015















































A minha verdade.

Para encontrar minha verdade.
Aquela que habita em mim.
Para essa verdade ser sua.
É preciso estar em mim.
I
A sua será a minha.
Se faz necessário assim.
A comunhão do diálogo.
Sincero e puro pra mim.
II
Ao estudar as palavras.
Absorvendo o sentido. .
Mastiga-la é importante.
O mais importante é ter sido.
III
No transcender, é preciso.
Pra tudo ficar melhor.
A verdade está comigo.
Até ficar um xodó.
IV
A inspiração vigente.
Da ressonância do viver.
Só é preciso ser gente.
Pra depois aparecer.

(EDVALDO) 13/05/2017














































Poesia: não sou poeta.

Não nasci sendo um poeta.
Me tornei poeta um dia.
Tudo isto me contive por ser filho de Maria.
Com tanta coisa no mundo.
Fui logo ser, quem diria?
Um poeta pé quebrado.
Há muito que não se via.
Uns, são o que não quer ser.
Outros, o que tanto queria.
Assim sou eu, meu senhor.
Por ser filho de Maria.
Me tornei um poeta, e sou.
Por ser filho de quem seria?
Por ser filho de Maria.
Enquanto brinco com as palavras.
Escrevo sempre, e espero.
Vai saindo, vai saindo, tudo o que sempre quero.
É o trabalho surgindo, e a terra ficando arada.
Plantar e depois comer junto com a filharada.
Como é bom escrever os versos.
Na estrofe alienada.
Tudo isto me contive.
Pra não dar uma risada.
Vejo que todos comeram.
Ovos com carne passada.


De Edvaldo, Buíque, 27/08/2018














































Poesia no domingo

Madrugada sombria, o vento frio
Carne sangra e nas trevas rangem os ossos...
Quando os gritos se calam, nos destroços
De um vermelho escaldante segue um rio.
Num calar sepulcral nem mais um pio,
Só pavor, sofrimento e corpo em riste...
Um alento sequer ali existe,
Orações, vela acesa ou despedidas
A tragédia tirando tantas vidas
E o mundo ficando bem mais triste.

Mote: Rangel Júnior, no acidente do Chapecoense
Glosa: Alfrânio de Brito

***************
No contraste da vida os poetas se entrelaçam. (Edvaldo).
Uma resposta poética para o poeta Gilbran Asfora filho do poeta Raimundo Asfora.

Asfora, o poeta.
Sempre poeta, Asfora já foi um dia.
Seu filho Gilbran, sempre, sempre, o imitava.
Recitava, e confirmava, o bom filho que seria.
Declamando muitas vezes os versos que ele criava.
Recitando do seu pai, a mais linda poesia.
Declamava, e suspirava.
O poeta que já foi.
Raimundo, tua lembrança me comove, o que já foste um dia.

Buique,15/05/2017.
(Edvaldo)







































O REINADO DE DEUS

l
A promessa de um reino foi feita com muito amor.
Quem diria que um dia, seria harmonizado, e o sussurrar se ouvia.
Os anjos cantarolando vem filhos morar comigo no reino do salvador.
A terra vai ser florida, as árvores, vão dar bons frutos, tudo isto em um só dia
II
Vem filho morar comigo no reino do nosso amor.
Aqui tudo faz sentido, brincamos de ser criança.
Nesta paz, aqui se vive cantando muito louvor.
Recompensado seremos vivendo assim quem diria?
Na presença do senhor.
III
O reino está se formando, e todos bem conformado.
Procurando acreditar na promessa que foi feito.
Na pedra fundamental tudo aqui já foi montado.
Só precisamos ouvir o brado do meu senhor no dia que for eleito.
IV
Sendo assim, fui preparado, pra viver com alegria.
Sentindo a brisa do amor o aroma e o louvou.
A energia fluindo lavando todo meu corpo; rejuvenescendo, quem via?
Só aquele que um dia acreditou no senhor.
V
A promessa de Jesus confirmada que um dia, voltaria pra reinar.
E todos já esperando, vivo como ele veio; sem marca do sacrifício.
É bom que todos entendam que reinando ele já está.
Na majestade do PAI, confirmada por Sadabi que buscou seus benefícios.
VI
Sadabi irmão de Jesus, acreditar, quem diria?
Aconteceu na Fazenda, e todos aqui; notou.
O ETERNO confirmou a DEUS PAI que assim seria.
O AVÔ deste senhor, o mistério é muito forte, mas, foi assim que ficou.

VII
Assim no seu transcender, fortaleceu no viver, na vivência que um dia.
Sentado assim quem diria no trono do meu senhor.
Ministrando a nova Terra por tempo indeterminado, a ERA que assim viria.
A criação do reinado por isto foi confirmada à morada senhor.
(EDVALDO) 2018































NA BARBEARIA.

Amigo Afonso, vamos palestra agora.
Seguimos no bate papo até o romper da aurora.
Você diz eu também digo.
E acabou a história.
I
Hoje aqui tá conturbado.
Todo mundo quer falar.
Valdeci já disse tudo.
Só falta o mudo falar.
II
Quero ver quem fica aqui.
Ouvindo tanta besteira.
Só falto sair correndo.
pra levar uma rasteira.
III
Todo mundo conta uma.
Mentira de cair o rabo.
Afonso já contou dez.
Revivendo o passado.
IV
Aqui todo mundo fala,
Contando história diversas.
É VALDECI trabalhando.
E só defendendo o que presta.
V
O Edvaldo só fala naquilo que lhe interessa.
Jamais contou uma mentira.
E só defende o que presta.
Pois, só atira depois que mira, mira, na testa.
VI
Aqui todo mundo fala.
Na política da propina.
O Lula já virou tema.
Pra desgraça do Brasil.
O imposto aqui lema.
VIII
Só falta cair o Temer.
Pra desgraça do Brasil.
Tudo aqui é varonil.
Todo mundo Já caiu.
IX
Todos aqui sabem de tudo.
Do evangelho a política.
Do universo a perícia.
E da mentira do mundo.
X
O Efraim é muito sábio.
De tudo conhece um pouco.
Merece ser contemplado.
Na medida do sufoco.
XI
Portanto o tempo passou.
Na vivência do querer.
Sofrendo só de ouvir.
Mentira pra ter que crer.
XII
Um mente só pra querer.
Zombar da outra pessoa.
Só vai parar no inferno.
E Lá dizer uma loa.
XIII
Tudo isto é a verdade.
De quem quer ser como é.
Viver como Maomé.
É tudo o agente quer.


(Edvaldo) 10/06/2017











POESIA , O BEM QUERER DO REINADO DE DEUS.

I
Quisera um dia eu ser, um anjo com muita beleza.
Destemido provador no reinado que aqui estou. A Terra foi contemplada pra viver em sutileza.
Veio e terminou, contemplando e foi chegando, aqui, e ninguém notou.
II
A promessa que foi feita tudo já concretizou, aqui com tanta alegria.
Já foi cumprida da integra, pelo meu consolador.
Quem não viu foi quem não quis, que surpresa quem diria?
Tudo aqui é cantoria; por que tudo fixou na presença do senhor.
III
O DEUS que tem por princípio falar a quem lhe espera.
Não tardou por muito tempo, determinou todo querer.
Vivendo e contemplando contrito na nova ERA.
Que bom, aqui nesse tempo, vivemos o bem viver.
IV
Chegou a hora e o dia tudo bem recomendado.
Pra ser aquilo que é, um reino com muito amor.
Não é mera coincidência tudo foi acomodado.
Tudo está determinado na presença do senhor.
O REINADO DA PROMESSA DIVINA veio e ninguém notou.
(Edvaldo).
Buíque 2018












































A METÁFORA

Quem diria que um dia tudo foi harmonizado.
O futuro está presente na beleza do roçado.
A metáfora é verdadeira de todo mistério azulado.
Criando e fazendo vida no trabalhar do arado.
II
O ETERNO se fez presente no mistério do criar.
Ditou normas conscientes na criação do viver.
Preparou, quem diria? Um filho pra si amar.
O processo, foi nove anos pra ELE vir a nascer.
III
Nasceu e está convivendo, um jovem forte e bonito.
Só falta mesmo exercer o que ele veio fazer.
Administrar a terra na sutileza do fluídico.
Criando todas as leis na imensidão do prazer.
IV
A metáfora é verdadeira de tudo que divulgou.
Tudo dentro de uma tese formada pelo meu senhor.
Que forneceu seu pudor pra tudo ser resolvido.
Na culminância da vida formado pelo seu fulgor.

(Edvaldo) 13/05/2017

















































Lembranças de Galante.

Galante, Terra ungida de onde nasci.
Na vivencia de tudo por demais.
Quem diria? Eu mesmo assim um dia.
Desprezar tudo isto nunca mais...
II
Que bom que tudo isto aconteceu.
No convívio da esperança que viria.
Relembrar com amor quem mereceu.
No passado de tudo, quem diria?
III
Foi por isto quem neste mundo viveu.
Na lembrança do passado bem pertinho.
Ainda vejo recordando quem nasceu.
E relembrando os amados, amigos meus.

(Edvaldo) 05/112016























































Lembranças de Galante.

Galante, Terra ungida de onde nasci.
Na vivencia de tudo por demais.
Quem diria? Eu mesmo assim um dia.
Desprezar tudo isto nunca mais...
II
Que bom que tudo isto aconteceu.
No convívio da esperança que viria.
Relembrar com amor quem mereceu.
No passado de tudo, quem diria?
III
Foi por isto quem neste mundo viveu.
Na lembrança do passado bem pertinho.
Ainda vejo recordando quem nasceu.
E relembrando os amados, amigos meus.

(Edvaldo) 05/112016






















































MINHA TERRA GALANTE

I
Galante, tão formoso seu nome lhe conduz.
Dos seus filhos avante com bravura.
Uma foto na moldura que reluz.
Na esperança da vivencia regressar.
Para depois pra o lar de sua mãe voltar.
II
Minha Terra; Galante do meu coração. Sentindo muita saudade.
Não é confissão em vão.
Tudo isto é dar idade.
Em que passa um ancião.
III
Terra amada.
Galante terra dos sonhos.
Por tudo que tanto amei.
Não preciso nem chorar.
Vivenciar, sim, outra vez.
IV
Saudades que tenho da minha mãe tão querida.
Dá minha infância com vida.
Que o tempo não volta mais.

(Edvaldo) 05/112016















































AMIGO DESCONHECIDO.

Tony, você me parece.
Ser do lugar que nasci.
Portanto, você me conhece.
É uma pessoa conhecida no lugar que lá vivi.





(Edvaldo) 12/06/2016


























































A METÁFORA

Quem diria que um dia tudo foi harmonizado.
O futuro está presente na beleza do roçado.
A metáfora é verdadeira de todo mistério azulado.
Criando e fazendo vida no trabalhar do arado.
II
O ETERNO se fez presente no mistério do criar.
Ditou normas conscientes na criação do viver.
Preparou, quem diria? Um filho pra si amar.
O processo, foi nove anos pra ELE vir a nascer.
III
Nasceu e está convivendo, um jovem forte e bonito.
Só falta mesmo exercer o que ele veio fazer.
Administrar a terra na sutileza do fluídico.
Criando todas as leis na imensidão do prazer.
IV
A metáfora é verdadeira de tudo que divulgou.
Tudo dentro de uma tese formada pelo meu senhor.
Que forneceu seu pudor pra tudo ser resolvido.
Na culminância da vida formado pelo seu fulgor.

(Edvaldo) 13/05/2017


















































Lembranças de Galante.

Galante, Terra ungida de onde nasci.
Na vivencia de tudo por demais.
Quem diria? Eu mesmo assim um dia.
Desprezar tudo isto nunca mais...
II
Que bom que tudo isto aconteceu.
No convívio da esperança que viria.
Relembrar com amor quem mereceu.
No passado de tudo, quem diria?
III
Foi por isto quem neste mundo viveu.
Na lembrança do passado bem pertinho.
Ainda vejo recordando quem nasceu.
E relembrando os amados, amigos meus.

(Edvaldo) 05/112016























































MINHA TERRA GALANTE

I
Galante, tão formoso seu nome lhe conduz.
Dos seus filhos avante com bravura.
Uma foto na moldura que reluz.
Na esperança da vivencia regressar.
Para depois pra o lar de sua mãe voltar.
II
Minha Terra; Galante do meu coração. Sentindo muita saudade.
Não é confissão em vão.
Tudo isto é dar idade.
Em que passa um ancião.
III
Terra amada.
Galante terra dos sonhos.
Por tudo que tanto amei.
Não preciso nem chorar.
Vivenciar, sim, outra vez.
IV
Saudades que tenho da minha mãe tão querida.
Dá minha infância com vida.
Que o tempo não volta mais.

(Edvaldo) 05/112016















































A METAMORFOSE.

Metamorfoseando os meus órgãos.
Afirmar assim, quem diria?
Só pode ser transcendental.
Vivendo assim eu queria.
Afagando o meu ego, na grandeza de mãe Maria.

Quantas coisas eu queria,
Modificar o meu corpo,
Do jeito que for preciso,
Modificar eu podia,
Na grandeza de mãe Maria.

Assim é que quero ver,
Tudo ficar como eu quero,
Sem nada do lero-lero,
É na verdade e sincero,
Tudo isto que espero.



(Edvaldo) 20/07/2016














































Os corruptos.

Não sei se vou ou se fico.
Nesse Brasil de ladrão.
Já roubaram o meu dinheiro.
Levaram para o inferno ficando tudo pra o cão.

Os políticos da esquerda foram tomar chimarrão,
La no Rio Grande do Sul, convocado por Getúlio,
A aprender a serem honestos convicto de um futuro,
Ficaram foi todos bêbados sem lumiar o escuro.

Que coisa feia danada depois foram descoberto,
Pois, todos traziam muito dinheiro escondido,
Ficaram todos despidos nesta fiscalização,
Traziam muito dinheiro na cueca sacolão.




(Edvaldo) 22/07/016  


















































Poesia no domingo

ACASO
Avistei você por um acaso e sua imagem fixei no pensamento.
A minha luta é constante e desigual, todo dia eu corro na labuta.
Porém, eu não mudo de Conduta e essa história não é consensual.
Me maltrata, desgasta e me deprimi.
Me leva a uma tremenda exaustão.
Ao vê-la na rua tão sublime fujo da real, uma comoção!
És a mulher do sonho que preciso,
Mas para viver bem no paraíso,
Ponho um ponto final nesta questão.
Gilbran Asfora

BRINCANDO de RESPONDER A GILBRAN.

O ACASO.
I
Tem sempre o acaso e o caso.
Todos dois, bem turbulento.
A vida toda em relento.
O acaso é muito lento
Na vida de um idoso.
Pra viver sempre chorando.
Vivendo sempre se arriscando.
Com a bengalinha apontando.
Trilhando no seu caminho.
III
Se arriscando e caindo.
Na vala e soltando um grito.
Chorando e murmurando.
O acaso não tem mito.
IV
Vivenciando a constante desventura.
No apogeu ofegante da mentira.
Tudo isto é um refletor de ilusão.
Na pujança refletida do amor.
V
Como posso viver assim neste silêncio.
Buscando a mulher amada no alento.
O acaso não é mais que um colosso.
Ao relembrar o passado turbulento.

(Edvaldo) 22/06/2016






























O QUERER SER

I
Quero ser mais não posso.
Aquilo que o povo quer.
Nada muda em minha vida.
Dependendo do que é.
II
Sou mesmo um cientista?
Provar é tudo que quero.
Dependendo do provar.
Me pergunta que espero.
III
Sou um homem ligado ao ETERNO.
Vivencio tudo isto quando quero.
Sendo ELE o coordenador do universo.
Apelar para ELE e o que quero.
IV
Estudo a ciência metafísica.
Vivencio muito bem este mistério.
Nada impede de ser aquilo que quero.
Me tornar um cientista é um mistério.
V
Me ligar ao ETERNO, é um mistério.
Na ciência metafisica eu levo a sério.
Na teologia divina eu me revelo.
Ir buscar tudo isto no Deus eterno.


(Edvaldo) Em 02/06/2017.











































SER DO SENTIR.

I
No contexto que hoje se inicia,
Na essência do teu corpo a brotar.
Na penumbra do seu corpo que dormia.
A sonhar com o amado que viria.
II
Não mereço sofrer um novo dia.
Na esperança do teu corpo abraçar.
Esse sonho tão formoso, quem diria?
Mesmo assim eu queria te acalmar.
III
Sussurrando no teu ouvido a delirar.
O amor a brotar o que sentia.
Naquele dia sussurrando um linguajar.
Favorecendo as mãos ao deslizar.
No teu lindo corpo morno a jorrar…

(EDVALDO) BUÍQUE, 31/05/2017




















































MAMÃE, A SAUDADE QUE DÓI.

I
Mamãe querida, tu és.
Na imensidão do tempo que passou,
Sempre estive aos teus pés te afagando.
Te adorando, e vivenciando o teu amor.
II
Dos beijos que me dava com lealdade.
Aquele amor, revelado com doçura.
Te venero, sentindo muita saudade.
Ao afagar o meu rosto com ternura.
III
Quanta doçura eu via no teu rosto.
E hoje eu vejo as rugas da velhice.
A tristeza nos teus olhos sem o gosto.
De um sorriso envelhecido da mesmice.
IV
Quantas saúde eu tenho daquele rosto.
E hoje vejo inerte sem saída.
Sem andar, e não me reconhece mais.
Não sou mais o primeiro amor da sua vida.
V
Noventa e cinco anos se passaram.
Quanta doçura, e hoje envelhecida.
Já não se ver mais, alegria renascida.
Nem me dizer, Vadinho, és o primeiro amor da minha vida.

(Edvaldo),
Buíque, 14/05/2017












































Poesia no domingo, Gilbran Asfora.
TRAGEDIA DA CHAPECOENSE.

Madrugada sombria, o vento frio.
Carne sangra e nas trevas rangem os ossos...
Quando os gritos se calam, nos destroços.
De um vermelho escaldante segue um rio.
Num calar sepulcral nem mais um pio.
Só pavor, sofrimento e corpo em riste...
Um alento sequer ali existe,
Orações, vela acesa ou despedidas.
A tragédia tirando tantas vidas.
E o mundo ficando bem mais triste.
Mote: Rangel Júnior, no acidente do Chapecoense
Glosa: Alfrânio de Brito
16




A RESPOSTA. 12/12/2016

Um dia poeta, sempre poeta.
Asfora ja foi um dia.
E o seu filho Gilbran sempre muito queria.
Poetar, confirmar o bom filho que seria.
Declamando sempre, do seu pai, as mais lindas poesias.
Declamando, e suspirando.
Ao relembrar o seu pai.
Que foi um poeta um dia.


(Edvaldo) 12/12/2016









































NA BARBEARIA.

Amigo Afonso, vamos palestra agora.
Seguimos no bate papo até o romper da aurora.
Você diz eu também digo.
E acabou a história.
I
Hoje aqui tá conturbado.
Todo mundo quer falar.
Valdeci já disse tudo.
Só falta o mudo falar.
II
Quero ver quem fica aqui.
Ouvindo tanta besteira.
Só falto sair correndo.
pra levar uma rasteira.
III
Todo mundo conta uma.
Mentira de cair o rabo.
Afonso já contou dez.
Revivendo o passado.
IV
Aqui todo mundo fala,
Contando história diversas.
É VALDECI trabalhando.
E só defendendo o que presta.
V
O Edvaldo só fala naquilo que lhe interessa.
Jamais contou uma mentira.
E só defende o que presta.
Pois, só atira depois que mira, mira, na testa.
VI
Aqui todo mundo fala.
Na política da propina.
O Lula já virou tema.
Pra desgraça do Brasil.
O imposto aqui lema.
VIII
Só falta cair o Temer.
Pra desgraça do Brasil.
Tudo aqui é varonil.
Todo mundo Já caiu.
IX
Todos aqui sabem de tudo.
Do evangelho a política.
Do universo a perícia.
E da mentira do mundo.
X
O Efraim é muito sábio.
De tudo conhece um pouco.
Merece ser contemplado.
Na medida do sufoco.
XI
Portanto o tempo passou.
Na vivência do querer.
Sofrendo só de ouvir.
Mentira pra ter que crer.
XII
Um mente só pra querer.
Zombar da outra pessoa.
Só vai parar no inferno.
E Lá dizer uma loa.
XIII
Tudo isto é a verdade.
De quem quer ser como é.
Viver como Maomé.
É tudo o agente quer.


(Edvaldo) 10/06/2017













A poesia

A Quadrilha.

A quadrilha se transforma.
Na grande festa do povo.
No vai e vem do balanço.
Pra se renovar de novo.
I
O São João é todo assim.
A dama é linda e formosa.
No bem bom todos à cantar.
Dançando e soltando prosa.

II
Todo mundo a brincar.
Na noite de São João.
Tem fogueira e foguetão.
Rosquinha e mosquetão.
III
Assim todos comemoram.
Na vila e no sertão.
A praça cheia do povo.
Para beber um quentão.
IV
Aí começa o forró.
O sanfoneiro se prostra.
Pra cantar aquela moda.
Do jeito que povo gosta.
V
O Balancê da quadrilha.
A dama sendo abraçada.
É um fungar tão grande.
Que a venta fica amaçada.
VI
Todos à dançar no salão.
Rodopiando a cantar.
Um remelexo tão grande.
Todos no mesmo lugar.

(Edvaldo) 15/06/2017


































SAUDAÇÃO A BUIQUE.


I
Não sou filho de Buíque.
Porém lhe amo demais.
Que coisa boa é viver.
A onde tudo lhe apraz.
II
Tornei-me um Buiquense.
Por opção e amor.
Em uma singela franqueza.
Daqueles que me adotou.
III
É assim que ainda vivo.
Fugindo sempre da dor.
Brincando com meus amigos.
Contribuindo assim, no despertar do louvou.
IV
Minha vida eu levo assim.
Na terra que tanto quero.
Buíque, teu filho amado.
Ser amado assim espero.

(EDVALDO) 10/05/2017















































A poesia,

O MINISTÉRIO QUE TRANSCENDE.


Agradeço, ao ETERNO por mais um dia.
Na esperança de outro dia ti encontrar.
Quantas coisas belas já me deste.
Te agradeço, e vou lutar pra esperar.
II
A força, e o poder, me desse com prazer.
Foi muito bom, e com isso eu aproveito.
Regozijo o atributo ao fazer.
Me livrando, do mau com muito jeito.
III
Aliviando o sofrimento, e é bem feito.
Vou viver muito, e aplicá-lo com amor.
E tudo isso, nunca, nunca, eu rejeito.
E ainda rindo, disfrutando com humor.
IV
O ETERNO, tá fornecendo a vida, agora.
De tudo isto, que eu falo com louvor.
Na aventura, no universo, que vigora.
Uma viagem, pela galáxia, a busca do amor.
V
As estrelas, no universo a brilhar.
Na sutileza de um amor a ressurgir.
Quisera eu, esse teu beijo roubar.
E no apogeu, do seu colo me deitar.
VI
No universo, quem coordena é o ETERNO.
O sol que brilhar, na imensa solidão.
Vou viajando, para o mundo do pai Paterno.
Vou encontrá-lo, transcendendo a escuridão.
VII
Que coisa boa, tudo isto que te falo.
Mesmo assim, o mistério é profundo.
Revelar agora, não compensa ao moribundo.
Viaje agora, em busca de outro mundo.

10/07/2017(Edvaldo)



































Poesia
 A rosa

A rosa que mais amei
No apogeu do seu nome
Na busca, eu muito andei
Não me furei no seu espinho
Fui tentando, estava com fome, e cheguei,
E Brindei com ela e com vinho
porém, foi a que mais amei.

 (Edvaldo).
Buíque 2018.



























































Saudade de minha mãe.
I
Mamãe pra sempre vou te querer.
Nesta vida foste o perfume da flor.
O aroma do cheiro do bem viver.
A cantar vou ti ouvi.
Com esta voz suave do porvir.
II
Meu primeiro amor da minha vida.
Que tanto te procurei.
A flor que mais brotou
A mulher ...que mais amei
Foi embora e me deixou.
III
Com saudade já estou,
Espero uma visita sua.
No transcender de um dia. Quando assim vc voltar.
Na miragem do teu espírito a regressar.
(Edvaldo)
2017.